Feeds:
Artigos
Comentários

Novos paradigmas

Aqui.

Anúncios

Ironias

Banco Popular e Associação Portuguesa de Bancos promovem literacia financeira.

 

 

Uma explicação interessante: A nascent industry, executive-compensation consulting, changed this.

Na estreia no mecanismo único de “resolução”, que palavra tão interessante. Mas, noutros lados há pesadelos ainda piores.

 

Um artigo do Jornal de Negócios no qual colaborei.

“Não vai ser possível escapar a mais democracia nas empresas”

Aqui.

“To those of us steeped in British corporate governance norms, the idea of someone who has been on a board since 2000 qualifying to be lead independent director is surprising.”

Daqui

Back in business

Com a retoma das aulas no curso de Managment Business Consulting do IDEFE/ISEG, O Governo das Sociedades põe fim à sua “hibernação”.

Acordão da Relação de Évora – 6381/12.6TBSTB.E1

“1. O disposto nos art.ºs 334º e 335º do Código do Trabalho (art.ºs 334º e 335º), visa responsabilizar diferentes pessoas jurídicas, pelos créditos laborais que um determinado trabalhador detém sobre a sua entidade patronal, fortalecendo assim a sua posição credora.
2. No entanto, a responsabilidade civil dessas diversas entidades, com base nas citadas disposições, alicerça-se em regimes jurídicos diversos, pois, se a responsabilidade solidária das sociedades, a que se reporta o disposto no art.º 334º do Código do Trabalho, se funda na responsabilidade contratual que se estende às mesmas por via da sua especial relação societária com a entidade patronal do trabalhador, já a responsabilidade dos sócios e gerentes que se refere o art.º 335º do Código do Trabalho, dentro do quadro definido pelos art.ºs 78º, n.º 1, 79º e 83º do Código das Sociedades Comerciais, tem por fundamento a sua responsabilidade extracontratual, preenchidos que estiverem os atinentes pressupostos.
3. Para que se possa assacar a responsabilidade aos sócios e gerentes de uma determinada empresa pelos créditos de um seu trabalhador, a título de responsabilidade extracontratual, é preciso alegar e provar, não só os pressupostos específicos vazados nos art.º 78º, n.º1 e 79º do CSC, por remissão do art.º 335º do CT, como também os pressupostos gerais da responsabilidade civil aquiliana, elencados no art.º 483º, n.º1 do Código Civil.

(…)”